Oito em cada 10 portugueses apostam no Euromilhões para se tornarem «milionários excêntricos», tornando Portugal no quarto país da Europa que mais contribui para a soma de 9,45 mil milhões de euros em vendas acumuladas a 10 anos.

Se estes números parecem confusos, bastará acrescentar que Portugal é o terceiro país onde calham mais vezes os prémios atribuídos pelo Euromilhões, desfazendo assim a dúvida entre apostar ou não.

Segundo a Lusa, de acordo com dados divulgados pelo departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia, a propósito da comemoração do décimo aniversário do lançamento do jogo em Portugal, o Euromilhões transformou-se no jogo a dinheiro com maior notoriedade espontânea.

Segundo a informação da Santa Casa, a popularidade do Euromilhões é tal que 92% da população adulta portuguesa coloca o concurso como a primeira referência de jogo a dinheiro. Atualmente, adianta a Santa Casa, este é o jogo mais vendido do departamento, representando 51,1% das suas vendas brutas.

Um ano depois de ter começado, o Euromilhões já tinha atingido a liderança nas vendas nacionais, conseguindo valer 922 milhões de euros em receitas.

Lançado em fevereiro de 2004 em Espanha, França e Inglaterra e oito meses depois em Portugal, Irlanda, Áustria, Bélgica, Suíça e Luxemburgo, o Euromilhões consiste num jogo de apostas mútuas com prognósticos sobre números, que atrai os apostadores com uma probabilidade de obter um prémio de 1 para 13.

A fórmula é a mesma em todos os países, ou seja, é preciso escolher cinco números em 50 e duas em 11 estrelas, e o valor – dois euros – é congregado em todos os países e depois distribuído em dois sorteios por semana, à terça e sexta-feira.

Com estas apostas, o valor mínimo do prémio é de 15 milhões de euros e o máximo de 190 milhões.

Os valores conseguidos pela Santa Casa da Misericórdia – com exceção do que é canalizado para prémios – constituem «uma das principais fontes de financiamento das políticas sociais do Estado nas áreas de saúde, solidariedade social, desporto ou cultura», afirma a organização, acrescentando que desde 2005 já foram distribuídos aos beneficiários cerca de 3,963 mil milhões de euros.

Para quem queira continuar ou estrear-se nas apostas, a Santa Casa informa que os números mais sorteados na última década foram o 50, o 4 e o 19, enquanto as estrelas com maior prevalência foram o 5, o 3 e o 2.