O Banco de Portugal afirmou esta segunda-feira que nem todos os equipamentos de pagamento vão estar aptos para receber as novas notas de 10 euros, que entram em circulação na terça-feira na área do euro.

«Não podemos garantir que todos os equipamentos estejam aptos a aceitar a nova nota de 10 euros já a partir de amanhã», terça-feira, afirmou o administrador do Banco de Portugal João Amaral Tomaz na conferência de imprensa da apresentação da nova nota de 10 euros, citado pela Lusa.

Na mesma conferência, Pedro Marques, diretor adjunto do departamento de emissão e tesouraria do Banco de Portugal, acrescentou que «o problema é que os equipamentos são dos comerciantes ou das empresas que têm parques de estacionamento», pelo que «o Banco de Portugal não pode obrigar a que tenham máquinas de vending».

Questionado sobre o caso específico do pagamento das portagens, Pedro Marques disse que o Banco de Portugal «tem a indicação de que as máquinas vão estar preparadas para o pagamento com as novas notas de 10 euros» já na terça-feira.

Os bancos centrais nacionais produziram 4.500 milhões de notas de 10 euros da segunda série e Portugal recebeu 162 milhões dessas notas, segundo o Banco de Portugal, que não revelou o investimento associado.

A nova nota de 10 euros é visualmente «muito semelhante» à nota da primeira série, mantendo o vermelho como cor predominante e o pórtico românico da nota da primeira série com o mesmo valor facial.

No entanto, a nota que vai começar a circular na terça-feira «incorpora elementos de segurança ainda mais sofisticados, que a tornam ainda mais segura e resistente à contrafação», segundo João Amaral Tomaz.

Entre esses elementos estão o retrato da deusa Europa, visível na marca de água e no holograma, e o número esmeralda, aspetos de segurança que já tinham sido incluídos na nota de 5 euros da segunda série, lançada em 2013.

Segundo João Amaral Tomaz, o número de contrafações apreendidas em Portugal representa menos de 2% do total de contrafações apreendidas na área do euro.

Agora, com os novos elementos de segurança introduzidos, a falsificação de notas de 10 euros será ainda mais difícil.

Para verificar a genuinidade das notas de 10 euros da segunda série, basta tocar, observar e inclinar as notas para detetar os principais elementos de segurança, de acordo com a instituição liderada por Carlos Costa.

Ao toque, a nova nota é firme e ligeiramente sonora e é possível sentir a rugosidade no pórtico românico, nas iniciais do Banco Central Europeu (BCE) e nos algarismos de grande dimensão. Na frente da nota, há ainda marcas táteis nas margens esquerda e direita.

Ao olhar é possível ver a assinatura do presidente do BCE, Mario Draghi, o retrato da deusa Europa em marca de água e o símbolo do euro (€) no filete de segurança.

Inclinando a nova nota de 10 euros, é possível ver o holograma numa banda prateada à direita, que inclui o valor da nota e o símbolo €. Além disso, na nova nota, o número brilhante no canto inferior esquerdo tem um efeito luminoso que muda de cor, passando de verde-esmeralda a azul-escuro.