No âmbito do Dia do Consumidor, que se assinala a 15 de março, o Cetelem lança um estudo sobre o nível de literacia financeira dos portugueses. O estudo revela que atualmente apenas 8% dos consumidores poupam com uma regularidade mensal, significativamente menos que em 2014 (30%) e que quase metade não faz qualquer tipo de poupança (45%). A análise indica também que o mealheiro tradicional passou a ser o principal método de poupança, tendo ultrapassado as transferências para contas a prazo.
 
Entre os inquiridos, 30% admitem poupar sempre que possível ou sempre que sobra algum dinheiro no final do mês. Há ainda 9% dos consumidores que dizem colocar dinheiro de parte, mas apenas de forma pontual com os subsídios de Natal e férias, entre outros. Somente 8% afirmam consegui-lo fazer todos os meses.
 
No entanto, são também muitos os consumidores que, nos últimos anos, admitem não fazer qualquer tipo de poupança. Em 2013, apenas uma minoria de portugueses (9%) afirmava não ter o hábito de economizar, valor que aumentou para os 22% em 2014 e que agora alcançou os 45%.
 
Pela primeira vez em três anos, o mealheiro passou a ser o principal método de poupança dos portugueses (22%), tendo passado à frente das transferências bancárias para contas a prazo, que têm vindo a perder adeptos. Em 2014, 40% dos consumidores usavam as contas a prazo para reunir economias; atualmente são apenas 19% a fazê-lo. Há ainda uma minoria (3%) que recorre a investimentos em produtos bancários, como PPR’s, ações e obrigações, como método de poupança.
 

«Nos últimos anos, em sequência da crise económica e financeira, têm-se verificado profundas alterações no comportamento dos consumidores, nomeadamente no que diz respeito aos hábitos de poupança. A reduzida folga orçamental tem restringido a capacidade de poupar dos portugueses e ditado o regresso aos mealheiros tradicionais. Verifica-se que apesar da crescente consciencialização para a importância da poupança, os portugueses estão a economizar menos e de forma diferente», explica Diogo Lopes Pereira, diretor de marketing do Cetelem.  

 
O estudo Cetelem sobre a Literacia Financeira foi realizado entre os dias 12 e 17 de fevereiro em colaboração com a Nielsen, através de 500 entrevistas telefónicas a portugueses de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, residentes em Portugal. O erro máximo é de +4.4 para um intervalo de confiança de 95%.