O Estado cortou quase mil milhões de euros em benefícios fiscais em IRS no espaço de 2 anos, escreve o Jornal de Negócios. Em termos médios, e só com os cortes nas deduções nas despesas de educação, saúde e habitação, a fatura do IRS custou mais 250 euros a cada agregado familiar.

Os dados constam de um relatório sobre a Despesa Fiscal que o Governo está obrigado a entregar anualmente à troika. Desde a assinatura do Memorando de Entendimento, em 2011, os portugueses perderam praticamente mil milhões de euros em deduções à coleta.

O corte mais substancial foi na área da saúde: a despesa fiscal assou de mais de 620 mil euros para pouco mais de 200 mil euros, sendo responsável pela redução de 40% da despesa fiscal total do IRS. Se analisados os cortes, em termos médios, por família, a despesa mais sacrificada foi a dos empréstimos à habitação.