A medida que obrigará a Galp a partilhar as mais-valias obtidas do negócio do «trading» de gás natural com os consumidores, estimada em mais de 500 milhões de euros, entrará em vigor em janeiro de 2015, apurou o Diário Económico.

A legislação para enquadrar os contratos da Galp está a ser ultimada, estando a sua conclusão prevista para finais de novembro. O objetivo do Governo é descer a fatura do gás natural em cerca de 5%.

O processo envolve vendas de gás natural ocorridas entre 2006 e 2012 e desviadas para o mercado internacional devido à quebra interna do consumo. O Executivo argumenta que os 4 contratos de de longo prazo da Galp para a aquisição de gás natural com a Argélia e Nigéria eram um bem público, à data em que foram celebrados. A Galp rejeita os argumentos e , apesar dos contactos das duas partes, não existem atualmente negociações em curso.