Depois de reiterar que este é um orçamento “responsável, que favorece o crescimento económico e a criação de emprego”, o Governo prevê, no esboço do Orçamento do Estado para 2016, que os salários cresçam 2,1%.

“No total da economia, a remuneração por trabalhador cresce 2,1%, um valor que reflete a reposição salarial na Administração Pública e o aumento do salário mínimo”, lê-se no documento que foi entregue hoje à Assembleia da República.

Recorde-se que o Salário Mínimo Nacional subiu de 505 para 530 euros.

Prossegue o documento que, “no setor privado, a moderação salarial e a evolução positiva da produtividade, permitirão que os custos unitários do trabalho evoluam em linha com os dos principais parceiros comerciais, mantendo a competitividade das exportações nacionais”.


Neste esboço de Orçamento está também referenciado que a Taxa Social Única (TSU) vai descer 1,5% para os trabalhadores que recebem menos de 600 euros.

A medida, que já fazia parte do programa do Governo, é reafirmada no documento, embora não se especifique o momento do ano em que entrará em vigor.

O Governo fez saber também que vai aumentar os impostos sobre os produtos petrolíferos, tabaco e imposto de selo, que vai resultar numa receita adicional de 390 milhões de euros.