Os funcionários públicos que se reformarem no futuro, incluindo já em 2014, podem sofrer cortes bem superiores aos 10% propostos esta semana pelo Governo.

De acordo com o «Jornal de Notícias», o aumento da idade da reforma e a atualização do índice de remunerações vão contribuir para perda de rendimento dos funcionários públicos e alguns podem sofrer um corte de 20% na pensão quando pedirem a reforma já no ano que vem.

O jornal cita cálculos de Eugénio Rosa, da CGTP, segundo os quais só a convergência da Caixa Geral de Aposentações (CGA) e a atualização do índice de remunerações retiram 15% acumulados aos novos reformados do Estado. Mas o economista lembra que os ex-funcionários terão ainda um novo corte por causa do aumento da idade de reforma anunciado esta semana pelo ministro da Solidariedade em carta ao Conselho Económico e Social. Segundo essas contas, este aumento vai provocar um rombo adicional de 5% nas pensões.

Como? Para aumentar a idade da reforma, o Governo vai alterar a forma de cálculo do fator de sustentabilidade e passar o ano de referência inicial da esperança média de vida aos 65 anos de 2006 para 2000. Esta alteração leva a que o fator de sustentabilidade, ao qual se ajusta o valor da pensão a entregar, mais que duplique ao passar dos 4,8% para os 9,8%, diz o estudo do economista.

Ao todo, a perda acumulada será de 20%.