O Governo estará a planear um corte progressivo, de 3,5 a 15% nos salários dos funcionários públicos a partir dos 600 euros, avança o «Correio da Manhã».

De acordo com o jornal, este corte substituirá a atual redução temporária de 3,5 a 10% nos salários superiores a 1.500 euros.

A medida terá ficado definida na reunião extraordinária do Conselho de Ministros de domingo.

De acordo com o jornal, a progressividade dos cortes fará com que os salários entre 600 e 2 mil euros sofram reduções de 3,5 a 12%, ao passo que os salários entre 2 mil e 4 mil euros sofrerão cortes entre 12 e 15%. Os salários acima dos 4 mil euros serão cortados 15%.

Em termos médios, estes cortes representarão ums poupança de 10% na massa salarial da função pública.

Ao optar por esta solução em vez de um corte definitivo de 10% em todos os salários superiores a 600 euros, através da revisão da tabela salarial, o Governo procura evitar um chumbo do Tribunal Constitucional a um corte permanente dos salários.

No entanto, o Governo continua a pretender avançar, durante o ano que vem, com a revisão da tabela remuneratória única da função pública, mas não é ainda certo se os cortes progressivos planeados para 2014 vão transitar para essa nova tabela.