O indicador de poupança APFIPP/Universidade Católica subiu de 121,6 pontos em maio para 123,7 pontos em junho, atingindo um novo máximo histórico.

No segundo trimestre de 2013, a tendência de crescimento da poupança das famílias manteve os sinais de estabilização em níveis historicamente elevados, refere o documento divulgado esta quarta-feira.

«O nosso indicador sugere que, em termos agregados, as famílias têm aumentado a sua taxa de poupança em 0,10-0,15 pontos percentuais do PIB [Produto Interno Bruto] em cada trimestre desde dezembro de 2009», acrescenta.

O indicador de poupança APFIP/Universidade Católica procura antecipar a evolução da taxa de poupança das famílias portuguesas em percentagem do PIB e resulta da análise ao comportamento de um conjunto alargado de fontes estatísticas.

O indicador de poupança assume o valor 100 no último trimestre de 2000 quando a taxa de poupança foi cerca da 8% do PIB.

Assim, cada 12,5 pontos do indicador representam cerca de 1% do PIB. Quando o indicador atinge o valor 125 a poupança das famílias é cerca de 10% do Produto.