No seu mais recente estudo sobre Literacia Financeira, o Cetelem questionou os portugueses sobre a quem recorreriam para pedir dinheiro em caso de necessidade. A família aparece em primeiro lugar.
 
Segundo o comunicado, os dados revelam que a maioria dos consumidores prefere pedir empréstimo à família (37%) ou ao banco (33%). Ainda assim, são cada vez menos os que afirmam recorrerem à família em caso de necessidade, tendo a percentagem vindo a baixar: 64% em 2013, 54% em 2014 e 37% este ano. O estudo revela ainda que quase metade dos consumidores possui crédito ou cartão de crédito (45%).
 
Além da família e do banco, as instituições financeiras (7%), os amigos (3%) e os colegas de trabalho (1%) são outras das entidades a quem os portugueses recorrem para fazer um empréstimo. Tal como já se tinha verificado em 2014, os homens optam por pedir ajuda à banca tradicional (37%), enquanto as mulheres preferem recorrer à família (41%).
 
Finalidade dos créditos

Relativamente à posse de créditos e à sua finalidade, muitos consumidores afirmam tê-los para pagar a casa (31%) e o carro (20%). Créditos para cobrir despesas com filhos (4%), férias (3%), despesas do dia-a-dia (2%) ou de saúde (2%) são menos frequentes.
 
Quase um terço dos consumidores (30%), destina entre 25% e 50% do orçamento mensal do seu agregado familiar ao pagamento das prestações de créditos em curso. Cerca de 9% dos inquiridos afirma que os créditos pesam menos de 25% no seu orçamento. No entanto, existe também 3% de consumidores a confessar que os créditos representam mais de 75% do seu orçamento mensal. Há ainda outros 3% a possuir créditos mas sem ter perceção do seu peso.
 
O estudo Cetelem sobre a Literacia Financeira foi realizado entre os dias 12 e 17 de fevereiro em colaboração com a Nielsen.