O Estado conseguiu captar até novembro mais 856 milhões de euros das poupanças dos particulares no retalho, especialmente depois de lançar os novos certificados do tesouro, que atraíram 425 milhões de euros em apenas um mês.

De acordo com o boletim mensal do IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o Estado conseguiu atrair nos primeiros onze meses do ano mais 856 milhões de euros das poupanças dos particulares no retalho, em termos líquidos (entre emissões e amortizações) face ao final do ano passado.

Destes, 431 milhões de euros foram através da captação de certificados de aforro, que desde a melhoria nas suas condições têm vindo gradualmente a conseguir captar mais poupanças, depois de um largo período de queda.

A novidade acaba mesmo por ser o valor conseguido com certificados do tesouro. Este instrumento tem estado vedado desde agosto de 2012 a novas subscrições, sendo que tinham sido criados em 2012.

No entanto, o IGCP decidiu lançar uma nova versão chamada certificados do tesouro poupança mais e o valor disparou.

No final de 2012, o valor subscrito em certificados do tesouro estava nos 1.416 milhões de euros e no final de outubro estava um milhão de euros abaixo, nos 1.415 milhões de euros, mas em novembro, com a entrada em vigor deste novo instrumento, o número disparou para os 1.841 milhões de euros.

No final são mais 425 milhões de euros, em termos líquidos, que o IGCP consegue captar das poupanças dos particulares com certificados de aforro em apenas um mês, quase o mesmo resultado que obteve em 11 meses com os certificados de aforro.