Os hospitais do sector público administrativo (SPA) e as administrações regionais de saúde (ARS) vão ter de cortar pelo menos 4% na despesa com pessoal no próximo ano. Mas os valores finais podem chegar aos 15%. A informação chega a poucos dias do fim do prazo de entrega dos orçamentos para 2014.

De acordo com a edição desta segunda-feira do «Jornal de Negócios» - que teve acesso a uma circular - Administração Central do Sistema de Saúde garante que «as despesas com pessoal de todas as entidades devem representar uma redução, face ao orçamento de 2013, de pelo menos 4%».

O corte será, portanto, apurado tendo em conta o orçamento inicial de 2013, que não contemplava parte dos subsídios, ou seja, a reposição de um subsídio, o que atira a meta de redução da despesa com pessoal para os 11%.

Mais: ao corte, ainda há a somar o aumento de 3,75% nos descontos das instituições para a Caixa Geral de Aposentações, adianta a Administração Central do Sistema de Saúde.

Em termos práticos, as instituições de saúde do sector público administrativo terão de acomodar uma redução de despesa com pessoal na ordem dos 14,75%, o equivalente a dois subsídios.