O Governo lança, no final deste mês, um novo produto de poupança para os pequenos investidores: os Certificados do Tesouro Poupança Mais (CTPM), que prometem render até 5%.

De acordo com a informação publicada esta quinta-feira em Diário da República, este produto de poupança oferece diferentes taxas de remuneração ao longo dos cinco anos de permanência: no primeiro ano a taxa anual bruta será de 2,75%, no segundo de 3,75% e no terceiro de 4,75%. Nos dois últimos anos, ou seja, no quarto e quinto anos, a taxa prometida é de 5%.

Em termos médios, ao longo dos cinco anos, a remuneração ascende a 4,25%, isto sem contar com eventuais bonificações em função do Produto Interno Bruto (PIB), porque a remuneração dos CTPM tem uma outra vertente, indexada à evolução da economia, que pode elevar o rendimento.

À taxa garantida, explica a informação publicada em Diário da República, «pode acrescer um prémio aditivo nos dois últimos anos, em função do crescimento médio real do Produto Interno Bruto (PIB)».

«A criação dos CTPM tem como objetivo promover a poupança de médio prazo dos cidadãos e dinamizar o acesso dos particulares a instrumentos de dívida pública com taxa fixa garantida», refere o Governo.

Os CTPM, que vêm substituir os Certificados do Tesouro, cuja negociação está suspensa há um ano, podem ser subscritos a partir de 31 de outubro, e o montante mínimo para investir nestes novos certificados é de mil euros.

Este novo produto de poupança promete roubar atenções aos tradicionais depósitos a prazo bancários, onde a taxa de remuneração para as aplicações até um ano tem estado em queda e atingiu em agosto 1,99%, o valor mais baixo em quase três anos.