Os portugueses vão ter de trabalhar até aos 66 anos e dois meses de idade se quiserem receber a reforma sem cortes no próximo ano.
 
Os dados finais das tábuas de mortalidade, que foram publicado ontem pelo INE, confirmam que tanto homens como mulheres vivem cada vez mais tempo, informação que o Governo usa para aumentar o fator de sustentabilidade.
 
Assim, quem optar pela reforma aos 65 anos terá um corte de 13,71% no valor da pensão para o resto da vida.
 
De acordo com o Correio da manhã, e segundo os cálculos feitos pelo economista Eugénio Rosa, uma reforma de mil euros leva hoje uma redução para os 869 euros, mas no próximo ano, este valor passa para os 862,9 euros.
 

Esperança média de vida aumentou 10 anos


A esperança média de vida aumentou na última década em Portugal e as mulheres continuam a viver mais anos dos que os homens, mas essa diferença está a diminuir, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística hoje divulgados.

Os dados das Tábuas Completas de Mortalidade para Portugal relativas ao período 2012-2014 referem que o valor da esperança de vida à nascença foi estimado em 80,24 anos para ambos os sexos, sendo de 77,16 anos para os homens e de 83,03 anos para as mulheres.

Nos últimos dez anos, a esperança de vida à nascença da população residente aumentou cerca de três anos, mais 3,06 anos para os homens e 2,47 anos para as mulheres face aos valores estimados para o período 2002-2004 (74,10 e 80,56 anos para homens e mulheres, respetivamente).

As mulheres continuam a viver mais anos do que os homens, contudo a expectativa de vida de homens e de mulheres tem vindo a aproximar-se com os maiores ganhos a registarem-se na população masculina.

De acordo com o INE, a diferença na esperança de vida à nascença de homens e mulheres diminuiu de 6,46 para 5,87 anos entre os triénios 2002-2004 e 2012-2014.

Em 2012-2014, a esperança de vida aos 65 anos foi estimada em 19,12 anos para ambos os sexos, sendo 17,23 anos para os homens e 20,55 anos para as mulheres.

Em dez anos, a esperança de vida aos 65 anos aumentou 1,63 anos para os homens e 1,61 para as mulheres.

A Tábua Completa de Mortalidade é um estudo estatístico que se realiza anualmente, abrangendo toda a população residente em Portugal, com base em informação proveniente de outras operações estatísticas, da área da demografia, desenvolvidas pelo INE.