O défice do Estado melhorou em agosto, com o saldo orçamental das administrações públicas a registar uma melhoria de 703 milhões de euros e cifrando o défice em 3.957 milhões de euros. O excedente primário cifrou-se em 1.334,4 milhões.

A melhoria nas contas acontece essencialmente por duas razões: o aumento das receitas na Segurança Social e também na receita fiscal.

A receita fiscal líquida ascendeu a 25.072 milhões de euros, mais 5,5%, em termos homólogos. Um crescimento que, segundo o Governo, supera já o objetivo de crescimento anual da receita fiscal para o ano de 2015 (5,1%).

Em agosto, a receita fiscal ascendeu a cerca de 4.200 milhões, correspondendo à maior receita fiscal alguma vez cobrada num mês de agosto. A expetativa do Governo, face a estes dados, é poder devolver 35,3% da sobretaxa deste ano aos portugueses. 

A receita acumulada dos impostos diretos cresceu 3,2%, impulsionada principalmente pelo crescimento do IRC. A receita acumulada dos impostos indiretos aumentou 7,4%, com especial destaque para o desempenho da receita do IVA, assim como do ISV, do ISP e do IUC.

A receita acumulada de IRC apresentou um crescimento de 12,4%. A receita de IRS esteve em linha relativamente ao período homólogo de 2014 (-0,1%). A receita de IVA cresceu 8,9%.

Nos primeiros 8 meses de 2015, o saldo global da Segurança Social registou um excedente de 806,2 milhões, o que traduz uma melhoria de €395,9 milhões face ao período homólogo, dado a redução da despesa em 4,5% ser maior do que a redução da receita (2%).