Relatório mostra que Estado paga 700 milhões anuais em suplementos remuneratórios