Várias dezenas de trabalhadores da contrutora Soares da Costa concentraram-se esta quinta-feira, junto ao Ministério do Trabalho, para pedir a intervenção intitucional do ministro da tutela para que lhes sejam pagos os salários que têm em atraso há vários meses.

Os trabalhadores vieram do norte do país até à capital com o intuito de sensibilizar o ministro Vieira da Silva para a situação de carência económica que cerca de 1.000 trabalhadores da Soares da Costa estão a viver em Portugal, Angola e Moçambique devido ao atraso no pagamento dos salários e subsídios.

Elementos da comissão de trabalhadores da empresa acabaram por falar com a chefe de gabinete do secretário de Estado da tutela e foi-lhes marcada uma reunião formal para 11 de julho.

Foi em dezembro de 2015 que a empresa anunciou um despedimento coletivo que seria executado até abril deste ano, mas até agora nada aconteceu. Mais de 300 pessoas estão em inatividade e sem salários há meses. 

Algumas delas regressaram de Angola. Indignados e em situação cada vez pior, os trabalhadores não compreendem porque é que a empresa não passa os documentos para o acesso ao subsídio de desemprego.