A empresa de molas Impormol, no concelho de Azambuja, despediu na terça-feira os 180 funcionários que laboravam naquela unidade fabril, informou esta quinta-feira o sindicato representativo dos trabalhadores.

Os trabalhadores foram informados da decisão de despedimento coletivo na terça-feira, adiantou à agência Lusa o porta-voz da comissão de trabalhadores da Impormol, Fernando Pina.

A Frauenthal Automotive (conhecida localmente como Impormol) tinha suspendido a sua produção no final de abril, comunicando aos trabalhadores que estavam dispensados de comparecer ao serviço.

A empresa, que labora há cerca de 40 anos, foi adquirida recentemente pela Heavy Metal Invest, com sede no Liechtenstein, que comprou 51% das ações em janeiro deste ano e as restantes 49% em março.

No início de maio a administração tinha comunicado aos trabalhadores que ia iniciar o processo de insolvência.

Apesar desta decisão, Fernando Pina referiu que os trabalhadores continuam confiantes de que Impormol poderá manter a sua unidade a laborar em Azambuja.

A nossa expetativa é a de que possa aparecer algum investidor interessado na Assembleia de Credores, uma vez que agora [sem os encargos com os trabalhadores] está mais apetecível", argumentou.

A Assembleia de Credores realiza-se no dia 5 de julho.

O sindicalista referiu ainda que os trabalhadores já solicitaram uma reunião com o ministério dos Negócios Estrangeiros, com o embaixador de Portugal na Áustria e com o embaixador da Áustria em Portugal.

Entretanto, a Câmara Municipal do Cartaxo, município, juntamente com a Azambuja, de onde são oriundos a maioria dos trabalhadores da Impormol, já anunciou que criou um espaço de atendimento e apoio, em parceria com o Centro de Emprego.

A Lusa contactou a administração da empresa para obter um esclarecimento, sem sucesso até ao momento.