A Comissão Europeia alerta: Portugal está a criar emprego, mas muitos desses postos de trabalho estão associados a qualificações mais baixas e salários reduzidos.

A recuperação do emprego avançou 3% entre o terceiro trimestre de 2016 e igual período deste ano. São mais 141 mil empregos em apenas um ano.

No entanto, mais de 68% destes novos trabalhos estão associados a qualificações e salários mais baixos.

Segundo noticia o Diário de Notícias/ Dinheiro Vivo, Bruxelas refere que os custos unitários do trabalho estão a evoluir muito devagar porque há sinais de que a produtividade recuperou um pouco.

A Comissão Europeia avisa que o problema pode estar nos salários baixos e na concentração e criação de emprego em atividades onde dominam as baixas qualificações.

Segundo Bruxelas, a produtividade por trabalhador está a evoluir mais rápido do que os salários. As previsões apontam que vai subir 2,3% nos próximos dois anos, enquanto que o salário médio por empregado não sobe além de 1,8%.