Desde há quase 10 anos que não se via este número de desempregados inscritos nos centros de emprego: 416.275 pessoas. São ainda quase meio milhão, mas as estatísticas têm melhorado.

Só em julho, o número de inscritos caiu 16,4%, em comparação com julho de 2016. Uma redução bem mais ligeira face ao mês de junho deste ano (0,5%). Seja como for, as estatísticas do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) mostram que há uma tendência.

O desemprego registado tem caído desde o início do ano, sucessivamente, e é preciso recuar a dezembro de 2008, para encontrar um número tão baixo de inscritos.

As diminuições homólogas, então, ocorrem há 45 meses consecutivos, ou seja, desde novembro de 2013.

Para a diminuição do desemprego registado em julho, contribuíram todos os grupos, sobretudo os homens (-43 840 inscritos; -18,9%), mas também:

  • os adultos com idades iguais ou superiores a 25 anos (-70.633 pessoas ou -16,0%)
  • os inscritos há menos de um ano (-48.282 ou -19,1%)
  • os que procuravam novo emprego (-73.340 ou 16,1%)
  • os que possuem como habilitação escolar o 1º ciclo do ensino básico(-17.821 ou -17,5%)

Nesse mês, 44.454 jovens estavam sem trabalho, menos 19,5% ou 10,755 mil jovens). Isso em termos homólogos, porque em termos mensais praticamente não houve variação.

Quanto aos desempregados de longa duração, estavam registadis 211,7 mil em julho, menos 13,5% em comparação com o ano passado e 0,6% em termos mensais (pouco mais de mil pessoas).

Em todas as regiões do país as estatísticas melhoraram, sobretudo no Algarve. Foi a região que teve a descida percentual mais acentuada (-26,9%), o que é natural na época de verão, graças aos empregos temporários potenciados pelo turismo.

As ofertas de emprego por satisfazer totalizavam em julho 24.335, no total do país.

Beneficiários de RSI baixam, mas pouco

Foram também conhecidas hoje estatísticas, estas da Segurança Social, sobre o número de indivíduos e famílias beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI): diminuiu ligeiramente em julho face ao mês anterior e há, atualmente, perto de 211 mil pessoas a receber esta prestação social e quase 95 mil famílias.

Registaram-se 210.822 pessoas beneficiárias do RSI no mês passado, menos 256 quando comparando com o mês de junho, o que representa uma diminuição de 0,12%.

Comparando com o período homólogo de 2016, a queda é mais abrupta, já que nessa altura havia 214.921 indivíduos a receber esta prestação social, o que significa uma diminuição de 1,9% e em termos absolutos menos 4.099 pessoas.