O Estado português atribuiu prestações de desemprego a 328.229 desempregados em junho, menos 13.179 do que em maio, o que representa uma quebra de 4%, de acordo com dados da Segurança Social divulgados esta quarta-feira.

Os números da Segurança Social incluem o subsídio de desemprego, subsídio social de desemprego inicial, subsídio social de desemprego subsequente e prolongamento do subsídio social de desemprego, prestações que atingiram em junho o valor médio de 464,61 euros, face aos 484,13 euros observados um ano antes.

Em junho de 2013, havia 393.019 desempregados a beneficiarem de prestações de desemprego, mais 64.790 face a junho deste ano (19,7%), de acordo com os dados do Instituto da Segurança Social, atualizados a 1 julho.

O Porto é o distrito com o número de beneficiários com prestações de desemprego mais elevado em junho, tendo sido atribuídos subsídios a 72.011 desempregados.

Seguem-se os distritos de Lisboa (67.421 pessoas), de Setúbal (29.269) e de Braga (27.475).

Do total de 328.229 mil beneficiários, 173.116 são homens e 155.014 mulheres, de acordo com os dados publicado no site da Segurança Social.

Dados divulgados na terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que a taxa de desemprego caiu para os 13,9% no segundo trimestre deste ano, uma queda homóloga de 2,5 pontos percentuais e um recuo de 1,2 pontos face ao trimestre anterior.

De acordo com as estatísticas do emprego relativas ao segundo trimestre de 2014, divulgadas pelo INE, neste período, a população desempregada foi de 728,9 mil pessoas, o que representa uma diminuição homóloga de 15,9% e uma queda em cadeia de 7,5%, ou seja, menos 137,9 mil pessoas e menos 59,2 mil pessoas, respetivamente.