O governo federal alemão quer implementar uma série de medidas para impedir que a chamada imigração da pobreza utilize a liberdade de circulação da união Europeia e se instale na Alemanha.

O relatório, de 133 páginas, foi elaborado por especialistas de vários ministérios, cuja proposta passa por conceder um prazo entre 3 a 6 meses para que os imigrantes de outros países da UE possam encontrar um trabalho em território alemão. Se falharem esse prazo, deverão regressar ao país de origem.

Segundo o El País, a norma europeia reconhece o direito de residência para os trabalhadores estrangeiros, mas não de forma ilimitada. Aliás, a maior parte das medidas que constam do relatório do governo federal são compatíveis com a diretiva europeia da livre circulação.

A norma reconhece aos europeus o direito de entrar e residir livremente em qualquer Estado-membro durante 3 meses. A partir daí, os países podem decidir estender a residência apenas a quem tenha trabalho, ou disponha de meios suficientes para viver. No caso de trabalhadores que ficaram desempregados, a norma diz que se deve dar um período de 6 meses para procurar trabalho.