O líder da bancada parlamentar do PSD anunciou que o seu partido e o CDS querem melhorar a proposta do Orçamento do Estado para 2014, aumentando o valor mínimo para os cortes nas pensões e nos salários.

Em entrevista ao Público, Luís Montenegro afirmou que os partidos da coligação governamental PSD e CDS querem aproveitar o debate parlamentar do Orçamento do Estado para 2014 para introduzir uma proteção maior dos rendimentos mais baixos.

«É para nós um objetivo encontrar alternativas que possibilitem que o patamar mínimo a partir do qual essa convergência se opera possa ser superior aos 419 euros que estão previstos», referiu Luís Montenegro, considerando que podem ser encontradas alternativas.

Apesar de se escusar a avançar um objetivo específico para o limite a partir do qual serão feitos cortes nas pensões, Luís Montenegro adiantou que «uma passagem para um valor superior a 500 euros, entre os 500 e os 600, já é significativo».

O dirigente social-democrata também admitiu elevar a fasquia dos 600 euros propostos para o início dos cortes nos salários dos funcionários públicos.

Estes aumentos dos limites mínimos para os cortes terão, no entanto, de ter compensações, lembrou Montenegro.

«Se nós pudéssemos tornar a baixar a sobretaxa para um nível inferior a 3,5% seria, não tenho dúvidas nenhumas, um sinal muito importante que poderia estimular mais a nossa recuperação económica», avançou.