A comissária europeia para a Educação e Cultura foi uma das investidoras que perdeu parte das suas poupanças com o resgate a Chipre, que exigiu uma taxa sobre os depósitos bancários superiores a 100 mil euros. Androulla Vassiliou perdeu 47% do valor que tinha depositado, avança o «El País».

«Não é fácil aceitar perder 47% das nossas poupanças por erros que outros cometeram», escreveu a comissária cipriota na passada terça-feira, na sua conta na rede social Twitter.

O resgate a Chipre implicou uma taxa sobre os titulares de depósitos acima dos 100 mil euros nos dois maiores bancos do país (o Banco de Chipre e o Laiki), implicando um corte de 47,5% nesses depósitos.

De acordo com a declaração de bens apresentada em julho do ano passado, citada pelo jornal espanhol «El País», existiam vários depósitos em nome da comissária no Banco de Chipre, num total de 1,12 milhões de euros. Com a aplicação da taxa de 47,5%, Androulla Vassiliou deverá perder cerca de meio milhão de euros.

Antes de ser comissária, Vassiliou foi assessora legal do Banco de Chipre e o seu marido, Yorgos Vassiliou, foi Presidente de Chipre entre 1988 e 1993. O comentário da comissária no Twitter caiu, por isso, mal junto dos cipriotas, que criticaram fortemente o casal nas redes sociais, acusando-o mesmo de fazer parte da elite política que conduziu o país à ruína.