O governador do banco central da Argentina, Juan Carlos Fabrega, apresentou a sua demissão esta quarta-feira, num período conturbado para a terceira economia da América Latina e no dia em que a Bolsa de Buenos Aires caiu 8,22%.

A demissão de Fabrega acontece um dia depois de um discurso crítico da presidente argentina, Cristina Kirchner, que denunciou um conluio contra o país organizado pela alta finança dos Estados Unidos e da Argentina.

Fabrega ocupava o cargo há menos de um ano, numa altura em que a Argentina se vê confrontada com uma escassez de divisas.