Demitiu-se a comissão de trabalhadores da Autoeuropa. Em causa, está o chumbo dos trabalhadores ao acordo que a comissão tinha fechado com a administração da fábrica de automóveis, segundo adianta o Dinheiro Vivo.

Para compensar os novos horários por turnos, a comissão tinha feito um pré-acordo que previa mais 175 euros por mês, um incremento do subsídio de turno e a atribuição de um dia adicional de férias. Mas um dia depois de ter sido anunciado, o acordo foi chumbado, com 75% de votos contra.

A comissão de trabalhadores justifica a demissão com o facto de ser um órgão democrático e que reconhece que a maioria dos trabalhadores pretende outro caminho.

“A atual lista está demissionária, portanto irá terminar o seu mandato e provocar eleições. Competirá à nova comissão de trabalhadores seguir com as negociações se a empresa o entender, mas só lá muito para o final do mês porque só aí estarão todos os trabalhadores. Este mês [agosto] só estão 50%, outros 50% estão de férias, à vez. Só aí será possível marcar as eleições”, disse entretanto, à Lusa, Fernando Sequeira, o representante dos funcionários da fábrica de Palmela.

A demissão produz efeitos a 28 de agosto e para dia 30 está marcada uma greve de 24 horas.

Entretanto, hoje mesmo, reuniram-se a administração da estrutura do grupo Volkswagen e representantes do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Ambiente do Sul (SiteSul) e da Federação Intersindical das Indústrias Metalúrgicas, Químicas, Elétricas, Farmacêutica, Celulose, Papel, Gráfica, Imprensa, Energia e Minas (Fiequimetal). Desconhece-se, por agora, o resultado do encontro.