Depois do vice-presidente da Comissão Europeia, agora é o comissário europeu para a Economia, o alemão Gunther Oettinger, que vem mostrar-se a favor da aplicação de sanções a Portugal e Espanha por causa do incumprimento do défice em 2015.

Ao também germânico jornal Bild, Oettinger disse que “as sanções são necessárias”, argumentando que “será inexplicável para as pessoas” caso as medidas não venham a ser aplicadas.

“Ambos países não conseguiram cumprir os compromissos em 2015 e a Comissão Europeia, para defender a sua credibilidade, deve aprovar sanções contra Espanha e Portugal

Depois, também o porta-voz do ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, questionado sobre o mesmo assunto, defendeu igualmente que "as regras europeias devem ser respeitadas".

Os comissários da União Europeia reúnem-se na terça-feira para debater o tema e devem tomar uma decisão em consenso.

As declarações do comissário europeu para a Economia seguem-se às posições demonstradas pelo vice-presidente da Comissão Europeia e ex-primeiro-ministro da Letónia. À revista alemã Der Spiegel, Valdis Dombrovskis defendia uma decisão rápida no que diz respeito à aplicação das sanções.

Em junho, este responsável europeu também já tinha dito que a Comissão Europeia deveria fazer cumprir as normas, mas evitando que as medidas prejudiquem a recuperação económica dos dois países.

A Comissão Europeia decidiu em maio adiar até ao mês de julho a eventual aplicação de sanções, caso se viesse a considerar que Portugal e Espanha não tivessem cumprido todos os compromissos sobre a redução dos respetivos deficit. Entretanto, a Reuters noticiou no fim de semana que Bruxelas vai dar mais três semanas, até dia 27 de julho, para que Portugal e Espanha tomem medidas para evitar as penalizações.

O primeiro-ministro escreveu mais uma carta ao presidente da Comissão Europeia, que deverá tê-la em mãos hoje, com a defesa de Portugal.

A decisão sobre a aplicação de sanções deve ser adotada por uma maioria qualificada dos Estados-membros e compete à Comissão Europeia fazer a recomendação sobre as medidas a aplicar.