A Deco Proteste disse hoje que os clientes do Banif com depósitos até 100 mil euros não têm motivos para resgatar as suas poupanças, uma vez que esse capital está garantido por lei.

“Os depósitos feitos no Banif até um montante de 100 mil euros por titular de conta estão salvaguardados pelo Fundo de Garantia de Depósitos. E só numa situação extremamente grave é que os valores depositados acima dos 100 mil euros podem ser postos em causa. Assim, por enquanto, e até este montante por depositante/titular, em nossa opinião poderá ainda manter o seu dinheiro nos depósitos”, refere a Proteste Investe (aconselhamento financeiro da Deco Proteste).

Na informação publicada no seu portal na Internet, a Proteste Investe diz que a estabilidade do sistema financeiro “é um propósito que tem gerado gastos elevados em vários países da União Europeia” e lembra que nem na Irlanda, na Grécia ou mesmo em Portugal, perante bancos em muitas dificuldades, os depositantes foram até hoje penalizados.

“Por cá, o mesmo sucedeu na resolução do BES. Antes disso, o BPP faliu e o BPN foi nacionalizado, mas os depósitos dos clientes foram sempre salvaguardados”, afirma, acrescentando que apenas em Chipre é que “alguns depositantes foram penalizados” e só os que tinham contas acima de 100 mil euros.

Precisamente a propósito da segurança das poupanças, a Comissão Europeia disse hoje que qualquer solução a encontrar para o Banif terá que "assegurar a plena proteção dos depósitos garantidos".

A Proteste Investe fala ainda das novas regras europeias que entram em vigor a 01 de janeiro de 2016 e que enquadram o ‘bail-in’, que prevê que, além dos acionistas e detentores de dívida subordinada, “também os depósitos acima da 100 mil euros e a dívida sénior podem ser chamados a contribuir para o reforço do capital do banco, antes que qualquer dinheiro público seja injetado”.

A entrada em vigor da nova legislação será precisamente um dos motivos do ‘contrarrelógio’ para encontrar rapidamente uma solução para o Banif, antes do final do ano, para evitar que obrigacionistas seniores e grandes depositantes sejam chamados a pagar parte de uma eventual resolução.

Já quanto aos detentores de ações do Banif, a Proteste Investe mantém o conselho para que os investidores estejam “afastados deste título”. Hoje as ações do banco perderam mais de 40% para 0,08 cêntimos.

Quanto ao investimento em fundos com património autónomo, refere que nenhum dos fundos do grupo tem atualmente “recomendação de compra” pela Proteste Investe e que “muitos têm o conselho de vender".

Por fim, nas obrigações emitidas pelo Banif “desaconselha” o investimento, considerando que “a remuneração não compensava o risco acrescido destes títulos”.

No final de 2012, o Estado injetou no Banif 1.100 milhões de euros, dos quais 700 milhões através de um aumento de capital e 400 milhões em instrumentos de capital contingente, os chamados 'CoCos', tendo o banco só devolvido 275 milhões de euros.