O que podem Passos Coelho e António Costa, cada um deles, garantir a um trabalhador da classe média com 50 anos sobre a reforma que essa pessoa irá receber, daqui a uns anos e com 40 anos de descontos? Esta pergunta aqueceu o debate entre os líderes do PSD e do PS, respetivamente, no frente-a-frente exibido nas três televisões generalistas, pela primeira vez. 

"Um cidadão nessas condições, para ter confiança, tem de ter também a certeza ou a garantia que o estado fará a reforma da segurança social que lhe permita receber. Hoje é isso que está em causa, temos de nos entender. Não vamos fazer nenhum corte de 600 milhões das pensões"


Passos Coelho deu essa resposta. António Costa ironizou: "O tal português de 50 anos quando o ouve dizer hoje que não vai fazer corte recorda-se de si há quatro anos a dizer que não ia fazer".

"A reforma estrita que os senhores propoem é privatizar parte da segurança social alocando-a aos privados, o que é uma medida definitiva (...) e irá criar buraco no financiamento da segurança social. O plafonamento é aventura que não podemos aceitar. Segurança social é o programa que temos, sem corte nas pensões e reforçando o financiamento da segurança social" 


Passos Coelho contrariou essa ideia "Não diga, se fizer favor, que alguém pode querer continuar a descontar para a segurança social ou para fundos mutualistas, não me diga que isto é especulação financeira". E mais uma vez, voltou ao passado, dizendo que "especulação financeira foi o que o estado fez" para cair no buraco que caiu em 2011. 

Acusou, depois, o PS de propor um plafonamento encapotado:
 

"Está lá escrito de uma forma não assumida, mas está no seu programa. O PS tem uma medida de reforma para a segurança social que é o plafonamento, um plafonamento vertical... o PS entende que é preciso fazer estímulo à procura, as pessoas a descontar menos para a segurança social, porque assim ficam com mais dinheiro. É o tal momento política José Sócrates...."


As contas do líder do PSD a partir do programa do PS dizem que, se toda a gente passar a descontar menos 4 pontos percentuais, "isso custa mais de 5.500 milhões em quatro anos".

"Quer falar em risco e insegurança? Insegurança e risco é aquilo que o PS propõe, perdas para a segurança social já assumidas Você tem fé, confiança que tudo se há-de resolver", ironizou. 

Apesar da clara divergência de argumentos, Passos Coelho considerou que numa coisa as duas forças políticas poderiam estar em sintonia: "Não deverá muito difícil pormo-nos de acordo em encontrar alternativas de financiamento para a segurança social, sem mexer nas pensões, que possa resolver o problema dos 600 milhões de euros".
 

Tudo sobre o debate Passos vs. Costa:

Passos cola Costa a Sócrates. "Está enganado", diz o líder do PS

Impostos: “Não queremos regressar às experiências de Sócrates”

Costa rejeita acordos com PSD se ganhar eleições sem maioria absoluta

"Não ouvirá da minha boca uma promessa quantificada"

Passos admite falha no SNS, Costa promete baixar taxas moderadoras

"Pela primeira vez há um governo que vai entregar menos riqueza"

"Passos Coelho é um passa culpas permanente no caso BES"