As estatísticas sobre o (des)emprego são utilizadas por Passos Coelho e António Costa como forma de troca de argumentos e de trampolim sobre o que é preciso fazer mais para combater o problema. No frente-a-frente que os juntou nas rádios Antena 1, TSF e Renascença, o ainda primeiro-ministro disse que a economia já está a criar postos de trabalho e deve continuar com base nas reformas já feitas. António Costa tem outras propostas, entre as quais reforçar apoios. Nenhum especifica exatamente como, embora elenquem medidas.

"Duas coisas em simultâneo: quando se fala de emprego temos de falar da criação e da qualidade do emprego. Estabelecemos o emprego como a causa das causas, a recuperação do rendimento das famílias e criar condições para as empresas investirem", enquadrou. 

"Políticas para setores onde o desemprego de longa duração tem sido duramente atingido - na minha geração, inclusive - [daí reduzir] o IVA da restauração. O desemprego não é só para as pessoas qualificadas; reforçar o apoio para o setor social; o apoio específico a jovens licenciados, em vez de desperdiçar dinheiro da Garantia Jovem, com falsos estagiários, concentrar esses recursos para a criação de emprego efetivo"


António Costa defende que a "grande reforma" não é reduzir custos do trabalho, como acusa a coligação Portugal à Frente (PSD/CDS-PP) de querer fazer, mas "criar emprego digno".

O seu adversário, Pedro Passos Coelho, defendeu que o seu Governo implementou reformas e que a base de trabalho para futuro deve ser essa.

"Precisamos de tirar partido das reformas realizadas, em sede de concertação social. É completamente prematuro estar a fazer mexidas de fundo nas reformas que realizámos. Isso não dispensou António Costa de propor medida de despedimento consensual"

Uma acusação que se alude à proposta do PS de um procedimento "conciliatório", sem recorrer aos tribunais, nos casos de cessação contratual. 
 
O líder do PSD argumentou que foi criado emprego na sua legislatura, emprego que vinha sendo "destruído há muitos anos em Portugal". E bateu-se pela sua medida de estágios, alegando que 2/3 dos jovens acabaram por ter trabalho a seguir. "Por casa contrato a termo certo, vimos criar quase três contratos novos sem termo", acrescentou.

Já a acusação de António Costa teve como alvo a justa causa nos despedimentos, que acusou a direita de querer retirar. Passos lembrou que houve um acordo na concertação social alterar as leis laborais, algo que até aconteceu em Itália, com os socialistas no governo.

Como metas, a coligação Portugal à Frente quer "garantir maior e mais elevado nível de qualificação aos jovens portugueses, que acrescente mais valor", "mais espaço para ensino vocacional, cursos de média e curta duração nos politécnicos para ir respondendo as necessidades das empresas, melhores politicas ativas de emprego e melhor formação". 

Mais sobre o debate:

Costa quer prestações sujeitas a condições de recurso, sem esclarecer quais

"Baixaram o IVA, aumentaram salários e comemos com um resgate"

Gestão da dívida: a "lata" de Passos ou a "inverdade" de Costa?

Passos fala em "demagogia", Costa diz que PM é "embirrento"

Costa não descarta intervenção militar para resolver crise de refugiados

Costa demarca-se do Syriza, Passos rejeita mudar de posição na UE