As Finanças recuperaram cerca de 160 milhões de euros (ME) na regularização da situação tributária ou através de injunções no universo de processos da Operação Furação, investigados pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP).

O diretor do DCIAP, Amadeu Guerra, referiu no Seminário «A economia não-registada e a criminalidade organizada», a decorrer esta sexta-feira no Tribunal de Contas, em Lisboa, que, no âmbito do Regime Excecional de Regularização de Dívidas estão «já acordados pagamentos de regularização que ultrapassam os 5 ME».

Deste montante, o procurador-geral adjunto salientou que foram já «recuperados cerca de 2.365.000 euros em 2014».

«Tais pagamentos corresponderam ao encerramento, por regularização da situação em sede do prejuízo do Estado e pela aplicação da medida de suspensão provisória, de 90 processos autónomos, que abrangem mais de 300 arguidos, entre pessoas singulares (181) e coletivas (135)», disse Amadeu Guerra.