As empresas rodoviárias de transporte de mercadorias faturaram no ano passado mais 0,7% do que em 2012, atingindo os 1,39 mil milhões de euros, de acordo com um estudo setorial elaborado pela DBK hoje divulgado.

De acordo com o estudo, as previsões para o biénio 2014-2015 apontam para uma «aceleração moderada do ritmo de crescimento», prevendo-se taxas de variação de cerca de 1,5% e 3,5% em 2014 e 2015, respetivamente, até atingirem neste último exercício um valor próximo dos 1,46 milhões de euros.

A contribuir para a melhoria da atividade das empresas transitárias está, nos últimos anos, de acordo com os autores do estudo, a evolução positiva do comércio exterior português, a deslocalização da produção e a crescente externalização das atividades logísticas no tecido empresarial.

A lenta recuperação da economia portuguesa, por seu turno, constitui «a principal ameaça que o setor enfrenta, prevendo-se a manutenção da pressão sobre as margens a curto prazo».

Entre as oportunidades, o estudo destaca o incremento previsto do comércio mundial, nomeadamente nas economias emergentes de África, América e Ásia, e a moderada melhoria da economia em alguns países do espaço europeu.

Segundo os dados da DBK (de junho de 2013), o setor emprega atualmente cerca de 6.000 trabalhadores, dispersos em cerca de 320 empresas localizadas essencialmente nos distritos do Porto e Lisboa (80%), predominando as de pequena dimensão, com 70% a apresentar uma faturação inferior a cinco milhões de euros.

Apenas 19 empresas empregam mais de 50 pessoas, gerando mais de 40% do volume de emprego global.

Ainda de acordo com o estudo, a presença de capital estrangeiro é atualmente relevante, destacando-se as filiais de grupos espanhóis, alemães, holandeses e franceses, com a quota de mercado conjunta das empresas participadas maioritariamente por acionistas estrangeiros a situar-se acima dos 40%.