O ministro da Economia do Chipre, Jaris Yeorgiadis, comunicou, esta sexta-feira, o encerramento imediato da transportadora aérea nacional, Cyprus Airways.

Durante uma conferência de imprensa, Yeorgiadis anunciou que a Cyprus Airways deu por terminadas as operações, visto que deixou de ser considerada uma «entidade económica ativa».

A Comissão Europeia já exigiu a devolução das ajudas estatais oferecidas à empresa desde 2007, considerando-as ilegais.

Sobre a devolução das ajudas, envolvidas num quadro de reestruturação de mais de 100 milhões de euros, o ministro adiantou que o Estado se empenhou na remediação da empresa, lamentando que «os esforços para a privatização da empresa» se tenham esgotado.

A CE admitiu que a Cyprus Airways «não tem uma perspetiva realista de viabilização sem subsídios estatais continuados».

A instituição europeia investigou um aumento de capital de 31,3 milhões de euros e um conjunto de ajudas, que totalizou 73 milhões de euros, ao qual se acrescentaram um resgate da Cyprus Airways e a indemnizações concedidas ao pessoal despedido. Neste sentido, a CE proibiu as ajudas do estado cipriota à empresa, em 2013.

Para além disso, ainda nesse ano, o Chipre obteve a ajuda da «troika», um programa no valor de 10 milhões de euros. O acordo contempla a obrigatoriedade de privatizações, entre as quais a da transportadora aérea.