Os custos do trabalho por unidade produzida ficaram inalterados nos 12 meses terminados no final de junho, com a remuneração média por trabalhador a aumentar mais que a produtividade, indicou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Nas Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional hoje divulgadas, o INE explica que esta estabilização dos custos do trabalho acontece em parte devido ao impacto na remuneração por trabalhador do pagamento dos subsídios de férias e de natal em duodécimos.

Com isto, no ano terminado no final do segundo trimestre a remuneração média aumentou 0,7% e a produtividade apenas 0,6%.

Nos 12 meses terminados no final de março deste ano, a produtividade aumentou 0,3% e a remuneração média caiu 1,2%.