O investimento em imobiliário comercial em Portugal recuperou, no ano passado, atingindo os 289 milhões de euros, quase o triplo do valor registado em 2012, segundo as estimativas provisórias da consultora especializada Cushman & Wakefield.

O retalho foi o setor privilegiado pelos investidores, absorvendo 59% do total, seguindo-se os escritórios (38%), enquanto o segmento industrial representou apenas 3% dos investimentos.

Ainda assim, a Cushman & Wakefield sublinhou que este volume está abaixo da média dos últimos dez anos, que rondou os 600 milhões de euros.

A maior procura de ativos imobiliários é justificada pelo diretor do departamento de investimento da consultora, Luís Rocha Antunes, com «a acalmia no mercado de dívida pública, as melhorias nos indicadores económicos e o bom comportamento de Portugal no programa de ajustamento».

No setor do retalho, o maior negócio do ano foi a compra dos restantes 50% do centro comercial CascaiShopping por parte da Sonae Sierra à britânica Rockspring.

Nos escritórios, a maior transação foi a compra do Báltico Office Center pelo fundo imobiliário alemão Deka à Mota-Engil por 43 milhões de euros.