A taxa de emprego em Portugal subiu para 60,5% no segundo trimestre de 2013, mais 0,3 pontos percentuais, depois de ter descido durante nove trimestres consecutivos, anunciou esta terça-feira a OCDE.

Segundo dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), a taxa de emprego em Portugal também subiu em todos os grupos de populações no segundo trimestre de 2013, face ao anterior, designadamente no grupo de mulheres (de 57,4% para 57,6%) e no dos homens (de 63% para 63,5%), bem como no dos jovens com idades entre os 15 e os 24 anos (de 21,1% para 21,5%).

Em relação ao conjunto dos países da OCDE, a taxa de emprego cifrou-se em 65,1% no segundo trimestre de 2013, menos 1,4 pontos percentuais que os níveis de antes da crise financeira, no segundo trimestre de 2008, mas mais 0,1 pontos percentuais que no trimestre anterior.

Na zona euro, a taxa de emprego caiu de 63,5% no primeiro trimestre para 63,4% no segundo trimestre.

A taxa de emprego caiu em Itália (0,5 pontos para 55,5%), aumentou na Alemanha (0,2 pontos para 73,3%) e permaneceu estável em França (em 64%), enquanto aumentou no Japão (0,3 pontos para 71,5%), Reino Unido (0,1 pontos para 70,5%) e manteve-se estável nos Estados Unidos (em 67,3%).

No conjunto dos países do G7, a taxa subiu uma décima, para 68%, precisou a OCDE.

Os países onde a taxa de emprego mais caiu no segundo trimestre foram a Grécia (maio ponto para 49,2%), Eslovénia (0,4 pontos para 62,9%, Holanda (0,3 pontos para 74,4%) e Turquia (0,3 pontos para 49,7%). Já onde a taxa mais subiu foi na Hungria (0,8 pontos para 58,2%), Islândia (0,8 pontos para 80,8%), República Checa (0,5 pontos para 67,8%) e Portugal.