O número de desempregados inscritos nos centros de emprego em Espanha caiu em 111.565 pessoas em abril, uma descida de 2,3% face a março, a maior descida desde o início da série histórica em 1996.

Segundo dados do Ministério do Emprego e Segurança Social no final de abril estavam inscritos nos centros de emprego um total de 4.684.301 desempregados, menos 304.892 pessoas do que há um ano, o que representa menos 6,1%.

Com o ajuste sazonal dos dados, explica o Governo, a queda mensal seria de 50.202 pessoas, a maior de sempre e a 9.ª descida mensal consecutiva, algo que não ocorria desde 1999.

Abril é, tradicionalmente, um mês de queda de desemprego, o que se deve em parte a contratações devido à época da Páscoa tendo havido aumentos apenas em dois anos, 2008 e 2009.

No mês passado, a queda do desemprego verificou-se em todos os setores, especialmente nos serviços, com menos 84.706 desempregados (-2,8 %), na construção civil, que registou menos 11.203 desempregados (-1,8%) e na indústria, com menos 8.282 desempregados (-1,6%).

A queda verificou-se em todas as regiões autónomas espanholas, com a Andaluzia a registar a maior descida em número (menos 27.674 desempregados).

Dados positivos também no que toca a contratações, com o número de trabalhadores inscritos a crescer em 133.765 (mais 0,82%) para 16.430.053, o que equivale ao melhor comportamento num mês de abril desde 2005.

Eliminando o efeito sazonal, o número de contratados aumentou em 61.111 pessoas, no 8.ª aumento mensal consecutivo.

Para a secretária de Estado do Emprego, Engracia Hidalgo, os dados confirmam «o impacto da recuperação económica incipiente nos principais indicadores do mercado de trabalho».

«A queda do desemprego não é um fenómeno temporário ou sazonal, mas é reforçada mês a mês numa tendência sustentada e consistente», refere em comunicado.