As dívidas incobráveis dispararam para 428 milhões de euros desde janeiro. Segundo o jornal Diário Económico, este é já um valor que representa 53% do total de 2014.
 
Contas feitas, são mais de 132 mil empresas e particulares que não pagaram dívidas a fornecedores, instituições financeiras, crédito ao consumo, arrendamentos ou empresas de serviços.
 
Só em fevereiro foi batido um novo recorde de incumpridores. Nesse mês entraram para a lista mais de 8.800 novos devedores crónicos.
 
Estes números fazem parte da lista pública de execuções, que permite detetar situações de incobrabilidade de dívidas.
 
Esta evolução, segundo os fiscalistas ouvidos pelo Diário Económico, denota que os efeitos da crise e do ajustamento económico e financeiro ainda se fazem sentir e se reflete em muitos outros indicadores como os do incumprimento e dívidas ao Fisco, por exemplo.
 
“Os efeitos da retoma levam algum tempo a fazer-se sentir no tecido empresarial e nas famílias, que ainda sentem o agravamento fiscal”, afirma Samuel Almeida.