A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) admite que a meta de crescimento projetada pelo Ministério das Finanças pode estar comprometida, já que no primeiro trimestre do ano o PIB teve uma redução em cadeia negativa de 0,7%.

«A taxa de crescimento do PIB prevista para 2014, de acordo com as projeções do Ministério das Finanças, é de 1,2%. No entanto, a taxa de variação em cadeia do PIB no 1.º trimestre de 2014, divulgada em maio pelo INE, foi de -0,7%, o que poderá limitar o crescimento anual», refere a nota da UTAO a que a agência Lusa teve hoje acesso.

Perante esta redução em cadeia e mantendo-se a dinâmica anual implícita nesta projeção do Instituto Nacional de Estatística (INE), dizem os técnicos da UTAO, a variação do Produto Interno Bruto [PIB] seria «substancialmente inferior à prevista».

Por isso, estima a unidade, para que o PIB aumente 1,2% este ano, «a média das taxas de crescimento em cadeia nos três últimos trimestres terá de atingir 0,7%».

Recordando que no momento em que foi elaborada a previsão de 1,2% do PIB a «dinâmica média implícita para 2014 era de 0,1%», a UTAO alerta para que, se essa média se verificar agora nos restantes três trimestres do ano, a taxa de variação do PIB anual será de 0,3%.