A OCDE reviu em baixa as previsões de crescimento da economia mundial, que irá crescer 3% em 2016, menos 0,3 pontos percentuais do que a estimativa anterior.

Crescimento lento de muitas economias emergentes, crescimento “muito modesto” nas economias desenvolvidas, pouco emprego, baixa inflação e riscos financeiros “substanciais”, justificam, segundo a organização, esta revisão.

Para a zona euro, a OCDE antecipa um crescimento de 1,4% em 2016, menos 0,4 pontos percentuais do que a anterior estimativa e menos 0,1 pontos percentuais do que em 2015.

Para 2017 a projeção é agora de 1,7%, menos 0,2 pontos percentuais do que o estimado anteriormente.

No caso dos Estados Unidos, para 2016, a diferença entre as duas projeções é de 0,5 pontos percentuais, com a organização a antecipar um crescimento de 2%. Para 2017 a organização antecipa um crescimento de 2,2%, menos 0,m2 pontos percentuais do que as contas iniciais.

Segundo o relatório, os mercados financeiros têm vindo a registar fortes quedas porque reanalisaram as perspetivas de crescimento, o que tem levado a uma maior volatilidade.

“É necessário uma resposta coletiva mais forte para fortalecer a procura. A política monetária não pode funcionar sozinha. A política orçamental é agora contraditória em muitas das maiores economias” sublinha a instituição.