O Instituto Nacional de Estatística (INE) deve confirmar esta quarta-feira um crescimento em cadeia superior a 0,4% no primeiro trimestre de 2015 e uma recuperação homóloga de pelo menos 1,4%, segundo as análises financeiras mais conservadoras.

O INE divulga esta quarta-feira as contas nacionais referentes ao primeiro trimestre deste ano e o Eurostat apresenta também os dados referentes à evolução do Produto Interno Bruto (PIB) dos países da União Europeia, com os analistas a mostrarem-se otimistas com o desempenho da economia portuguesa entre janeiro e março.

No que diz respeito ao crescimento no primeiro trimestre deste ano face ao trimestre anterior, os analistas do BPI e do Montepio são os menos otimistas, antecipando um crescimento económico entre 0,4% e os 0,5%, enquanto os do BBVA e do Núcleo de Estudos sobre a Conjuntura da Economia Portuguesa (NECEP) da Universidade Católica preveem um crescimento em cadeia mais expressivo, entre os 0,9% e o 1%.

Também quanto ao crescimento homólogo, os analistas do BPI e do Montepio são mais conservadores e antecipam que a economia portuguesa tenha recuperado entre 1,4% e 1,7% nos primeiros três meses deste ano face ao mesmo período de 2014, ao passo que o NECEP estima uma melhoria de 2,1%.

Os analistas contactados pela agência Lusa justificam esta recuperação económica no primeiro trimestre deste ano com o contributo positivo da procura interna, suportado por uma aceleração do consumo privado devido ao efeito da redução dos preços dos bens energéticos no rendimento disponível e o comportamento das exportações de bens.

Apesar do otimismo, numa análise económica divulgada no final de abril, intitulada “Portugal: Forte crescimento no início do ano”, o banco espanhol BBVA admite que este ritmo de crescimento deve abrandar ao longo do ano.