O novo crédito para compra de casa concedido pelos bancos atingiu 497 milhões de euros em maio, o valor mais alto desde maio de 2011, mês em que se iniciou o programa de resgate da troika a Portugal.

Em causa, está um aumento de 100 milhões de euros face aos empréstimos para habitação concedidos pela banca no mês anterior (abril), de acordo com os dados divulgados pelo Banco de Portugal, e que são citados pela Lusa.

Desde o início do ano e até final de maio, os novos créditos à habitação atingiram um acumulado superior a dois mil milhões de euros.

Já os quase 500 milhões de euros destinados à compra de habitação são cerca de metade do bolo total do dinheiro emprestado pelos bancos às famílias, em maio, que se fixou em 985 milhões de euros.

Crédito ao consumo a crescer 

O novo crédito ao consumo cresceu em maio para 325 milhões de euros (mais 25 milhões de euros do que no mês anterior), tendo sido emprestados 163 milhões de euros para outros fins (contra 157 milhões de euros em abril).

Além do aumento do crédito às famílias, também os novos empréstimos às empresas cresceram em maio face ao mês anterior (26% para 3.046 milhões de euros).

Quanto à variação anual, o Banco de Portugal revelou que os empréstimos concedidos pelos bancos a empresas e particulares (habitação) continuaram em maio a apresentar taxas negativas, de -2,4% e -3%, respetivamente.

Ao nível dos depósitos de particulares nos bancos residentes houve uma descida de 145 milhões de euros em maio, para um total de 139,4 mil milhões de euros.