O crédito malparado na economia desceu ligeiramente em junho, para 4,15%. Apesar desta descida, o valor dos créditos de cobrança duvidosa mantém-se muito próximo do máximo histórico atingido em maio.

São quase 18 mil milhões de euros que as empresas e famílias já deviam ter pago aos bancos. A situação é bastante mais grave nas empresas: cerca de um terço das sociedades tem problemas em cumprir os seus pagamentos à banca.

Do lado das famílias, a situação é pior nos créditos ao consumo do que nos empréstimos à habitação. Mas o panorama do malparado na habitação dá sinais de novo agravamento, subindo para 2,4% em junho.