Em novembro voltam a cair as prestações dos empréstimos à habitação. De mês para mês, os juros na zona euro batem mínimos históricos, uma tendência que se manteve-se em outubro. Apesar de faltarem poucos dias para o fim do mês, já é possível fazer contas às prestações da casa.

As médias mensais das taxas Euribor acentuaram as quedas. A média mensal da Euribor a 6 meses, a mais usada nos créditos à habitação, está agora nos 0,022%. No caso da taxa a três meses, o valor é negativo e está em - 0,051%.

Se aplicarmos estas taxas a um empréstimo de 100 mil euros, a 30 anos, com um spread de 1%, para quem tem contrato revisto em novembro: a prestação cai 2, 30 euros, para 322,7 euros, isto se o indexante for a Euribor a seis meses.

Se a taxa for a Euribor a três meses, a prestação da casa é reduzida em um euro e meio, para 319,3 euros.

Estas prestações são mínimos históricos, numa altura em que, de acordo com dados do Banco Central Europeu, o crédito às famílias voltou a subir em setembro, pela primeira vez desde a chegada da troika.

Só no crédito à habitação os bancos a operar em português tinham emprestados mais de 100.388 milhões de euros para compra de casa, uma subida de 62 milhões face a agosto e a primeira em 53 meses.