A circulação ferroviária estava às 06:00 a decorrer com normalidade, apesar da greve dos trabalhadores da CP, CP-Carga e da Refer contra os cortes salariais e privatizações, adiantou à agência Lusa uma fonte da CP - Comboios de Portugal.

«Entre as 00:00 e as 06:00 de hoje a circulação fez-se com normalidade. Registámos apenas uma supressão parcial, ou seja, um comboio que devia ter partido de Tomar com destino a Lisboa, mas que acabou por partir do Entroncamento», disse a porta-voz da CP, Ana Portela, remetendo para mais tarde novo balanço da paralisação.

Os trabalhadores da CP, CP - Carga e da Refer cumprem hoje uma greve de 24 horas contra os cortes salariais e privatizações previstas para o setor.

O coordenador do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), José Manuel Oliveira, explicou anteriormente à Lusa que na base do protesto está «o corte dos salários e dos direitos» no setor, assim como «as políticas de privatização/concessão e destruição do serviço público ferroviário».

O dirigente sindical criticou, nomeadamente, o fim do direito ao transporte gratuito, quer de reformados, quer de trabalhadores no ativo.

O sindicato critica também os cortes no abono de família, o «acordo de empresa recortado às tirinhas», o «brutal aumento dos impostos» e os «cortes nas pensões», além do menor investimento em ferrovia (quer no material circulante, quer na infraestrutura), da «redução contínua» de trabalhadores e da total falta de «segurança» quanto à manutenção do posto de trabalho.