Só no 1º trimestre do ano 1440 empresas declararam insolvência, o que representa uma redução de 16% face a igual período do ano anterior. Segundo a análise de insolvências, realizada pela COSEC, o setor da construção continua a representar cerca de 26% do total das insolvências e, apesar da redução de -17% face a igual período de 2013, continua a ser o setor mais relevante na análise global de insolvências, a par do sector dos serviços e do retalho.

Ao nível de distritos, Lisboa regista o maior número de insolvências com 26,4% empresas insolventes, seguida do Porto, com 21,3% (-21% face a igual período de 2013), e do distrito de Braga com 10,8% (-11% face a igual período de 2013). O distrito que regista menor número de insolvências é o de Beja com apenas 0,2% do total verificado.

Do total de empresas insolventes, cerca de 66% são microempresas.Relativamente ao número de empresas em Processo Especial de Revitalização (PER), registou-se uma variação de +13% de empresas que iniciaram um PER, face ao período homólogo.

«O primeiro trimestre de 2014 vem confirmar as nossas expectativas de melhoria do indicador após o elevado número de insolvências registadas nos últimos anos. A COSEC tem-se mantido atenta a todos os indicadores económicos e é com satisfação que assiste à retoma das empresas nacionais que tendem a diversificar as suas atividades e explorar outros mercados. Continuamos com uma expectativa positiva para os indicadores para este ano», refere em comunicado Berta Dias da Cunha, administradora da COSEC.