Para além da greve geral agendada para dia 21 de julho, os trabalhadores da PT Portugal têm outras ações de luta em curso e uma delas ocorreu hoje, com uma concentração em frente às instalações da empresa no Porto. O objetivo foi apelar ao Governo para que impeça a administração de levar a cabo transferências e rescisões de contratos de trabalho.

"A luta continua na empresa e na rua" - foi uma das frases mais entoadas pelos trabalhadores que empunhavam placas e faixas com mensagens como "O Governo tem de agir! Defender esta empresa é estratégia nacional" ou "Não à destruição da PT e postos de trabalho. O Governo tem de intervir já!".

Em declarações à agência Lusa, o representante da Comissão de Trabalhadores (CT), Francisco Gonçalves, disse estimar que existam neste momento cerca de 100 trabalhadores a cumprir funções temporárias e 200 sem funções, enquanto 155 estão "em transição" para outras empresas.

"E os restantes estão com o coração nas mãos", resumiu Francisco Gonçalves, pedindo à administração para que "pense no que está a fazer".

E se a administração não repensar, terá de ser o Governo a fazer alguma coisa. É importante valorizar a PT e os trabalhadores da PT. São os melhores trabalhadores das telecomunicações em Portugal, são dos melhores trabalhadores de telecomunicações que há no mundo todo. Medidas erradas de gestão não podem pôr em causa o futuro desta empresa e a qualidade desta empresa".

Francisco Gonçalves apontou que o universo PT ronda os 9.000 trabalhadores no ativo e 3.500 não no ativo (pré-reformas e suspensões).

A concentração de hoje no Porto seguiu-se a mais de três horas de plenário, no qual participaram representantes da CT e de oito sindicatos ligados ao setor.

De acordo com o responsável pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Telecomunicações e Audiovisual (SINTTAV) participaram no plenário - que teve como objetivo "o esclarecimento e mobilização" - cerca de 500 trabalhadores.

"Este é o início da luta dos trabalhadores da PT, uma luta que vai ser muito difícil. A greve de dia 21 será da responsabilidade da administração da Altice. As relações e condições laborais dos trabalhadores da PT alteraram-se completamente quando a Altice assumiu funções na PT por causa de uma lógica de corte nas despesas, remunerações e subsídios, retirada de funções a trabalhadores, prática de pressão e rescisões de trabalho", disse Hernâni Marinho, do SINTTAV.

Os postos de trabalho estão a ser postos em causa através de uma figura jurídica encontrada no Contrato de Trabalho que implica a transição automática para empresas externas".

"E ao fim de um ano os trabalhadores perdem o seu acordo coletivo de trabalho e, por consequência, todos os direitos adquiridos, ficando à mercê de despedimentos. Os trabalhadores consideram, e bem, que isto se trata de uma manobra fraudulenta. Pedimos a intervenção do Governo", sublinhou Hernâni Marinho.

Em causa está o facto de, em 30 de junho, a PT Portugal ter anunciado internamente que iria transferir 118 trabalhadores para empresas do grupo Altice e Visabeira, esta última parceira histórica da operadora de telecomunicações, cujo processo estará concluído no final deste mês. Antes, no início do mês passado, a operadora tinha anunciado a transferência de 37 trabalhadores da área informática da PT Portugal para a Winprovit.

Depois destas notícias, em 5 de julho, os sindicatos afetos à PT Portugal anunciaram também a convocação de uma greve geral para dia 21 contra a transferência de trabalhadores para outras empresas do grupo Altice e parceiros.

Depois da oncentração de hoje - que registou a presença de comitivas ligadas ao PCP e Bloco de Esquerda, nomeadamente da líder bloquista Catarina Martins e dos candidatos à câmara do Porto Ilda Figueiredo (CDU) e João Teixeira Lopes (BE) -, repetir-se-á uma ação semelhante nas quarta-feira, em Lisboa, e serão enviadas cartas ao Presidente da República, ao primeiro-ministro e aos partidos políticos com assento na Assembleia da República.