Trabalhadores da Soares da Costa fazem esta quinta-feira greve e realizam protestos frente aos estaleiros da empresa em Vila Nova de Gaia, um dia depois de se ter conhecido o despedimento coletivo de 500 pessoas.

Os protestos arrancam logo ao início da manhã, disse à Lusa José Martins, membro da Comissão de Trabalhadores da construtora, referindo que estes protestos foram marcados já na terça-feira para exigir o pagamento dos salários em atraso e do subsídio de Natal.

Entretanto, na quarta-feira a Soares da Costa anunciou que vai abrir um processo de despedimento coletivo de cerca de 500 funcionários, o que o responsável considerou que vem “reforçar” as razões para a greve de hoje.

A Soares da Costa é controlada em 66,7% pela GAM Holdings, detida pelo empresário angolano António Mosquito, que entrou no capital da construtora no final de 2013, sendo os restantes 33,3% da SDC – Investimentos (ex-Grupo Soares da Costa).

Na carta em que deu conta da decisão, e a que a Lusa teve acesso, a empresa justificou os despedimentos com a crise em Portugal e Angola, seu principal mercado, e com os prejuízos acumulados nos últimos anos.