O Fundo Monetário Internacional (FMI) aconselhou a França a abrandar o ritmo de redução do défice e, em compensação, a acelerar as reformas estruturais para apoiar a recuperação económica, que continua «hesitante».

«Até ao final de 2013, o Governo deverá ter cumpridos dois terços dos esforços iniciados em 2011 para estabilizar os défices. Tendo em conta este balanço e o caráter ainda hesitante da recuperação, o Governo deverá abrandar o ritmo do ajustamento», refere o Fundo no relatório anual sobre a economia francesa, divulgado esta segunda-feira.

De acordo com as previsões do FMI, França deverá terminar 2013 com um défice de 3,9% do Produto Interno Bruto (PIB), face aos 4,8% registados em 2012. Já as previsões do Governo francês aponta para um défice de 3,7% este ano, ainda que o ministro da Economia, Pierre Moscovici, tenha já admitido que o mesmo possa ser «ligeiramente superior».

O FMI identifica fatores que fragilizaram o crescimento económico francês, como a consolidação orçamental, a incerteza política que antecedeu as eleições presidenciais de 2012 e a conjuntura nos países europeus vizinhos, mas considera que «as recentes melhorias nos indicadores económicos apoiam a previsão de uma recuperação progressiva no segundo semestre de 2013».

Citando as condições de crédito favoráveis e o fraco endividamento das famílias e das empresas como fatores que sustentam o crescimento, o Fundo confirma a previsão de uma contração de 0,2% do PIB este ano e um crescimento que deverá atingir os 0,8% em 2014.

No entanto, além desta «recuperação cíclica», o potencial de crescimento de França está «travado pela rigidez estrutural nos mercados de trabalho e de bens, que contribuíram para uma perda progressiva de competitividade e do desempenho das exportações».

França deve «continuar as reformas estruturais para apoiar o aumento do consumo privado e para reforçar a competitividade» e o Governo francês deve reformar o sistema de pensões, aprofundar a reforma do mercado de trabalho e promover mais a concorrência nos mercados de bens e serviços.