O ministro dos Assuntos Parlamentares, Luís Marques Guedes, classificou esta quinta-feira como um «sucesso» a operação de privatização dos CTT e enalteceu a idoneidade do maior acionista, a Goldman Sachs.

A operação «foi um sucesso pela confiança que o interesse dos 25 mil investidores» dos CTT demonstrou», disse o governante à saída do Conselho de Ministros, citado pela Lusa.

Marques Guedes disse ainda que o banco norte-americano Goldman Sachs, que adquiriu 5% do capital dos CTT, «é uma entidade internacional financeira idónea» e salientou a «transparência» no processo de privatização dos correios.

O Deutsche Bank detém a segunda maior participação, com 2,04% do capital.

O resultado da Oferta Pública de Venda (OPV) superou 9,04 vezes a oferta, contando os CTT com 25.433 acionistas.

Os investidores institucionais ficaram com 56%, o público em geral com 12,62%, os trabalhadores dos CTT com 1,38%. O Estado, através da Parpública, fica com 30% da empresa, pelo menos durante nove meses.

No âmbito da privatização dos CTT, a empresa entrou em bolsa, com o Estado, através da Parpública, a deter 30% dos Correios de Portugal, posição que será mantida durante nove meses.